Da cidade para o campo #1

22.05.2019

A primeira vez que descemos o "Caminho dos Moleiros" era Inverno e pelo meio do nevoeiro percebemos rapidamente o que estava a ser desvendado à nossa frente.

Por entre décadas de lixo e abandono generalizado, encontrámos um lugar que parecia perfeito para assentar um novo capítulo das nossas vidas.

Uma ribeira cheia de vida, uma natureza a precisar de trabalho árduo para repor a glória produtiva de outros tempos, e duas azenhas com mais de 150 anos.

Sentimos aquele lugar a chamar, mesmo quando visitávamos outras quintas à venda na região, nunca nenhuma superou as expectativas.

Na ribeira de Alpreade, falava-se das lontras e das águias que aí faziam o ninho, porque rio acima, pouco mais havia da presença do homem. Na altura corria o rumor que os veados começavam a aparecer no topo da Gardunha, anfiteatro natural da aldeia histórica de Castelo Novo.

Desistimos de continuar a procurar e após meses de negociação com o antigo dono (1), lá conseguimos o "sim"...

No dia seguinte, ficámos cheios de esperança e energia para dar nova vida e amor a este lugar. E assim tudo começa...

HM
Castelo Novo, 22 Maio, 2019

(1) O antigo proprietário pensava que tinha 80 hectares de terra, mas na verdade eram 8. Não sabia escrever, e lia com muita dificuldade. Percebemos rapidademente o seu feitio e lidação, algo execrável e prepotente, até para as desgraçadas das cabras, suas únicas companheiras. Tinha dois cães acorrentados a uma árvore e 5 filhos.